Saberes ancestrais indígenas dos Tapebas de Caucaia-CE: contribuições e diálogos com a educação ambiental dialógica

A Educação Ambiental Dialógica busca a inserção dos saberes populares na construção de uma práxis crítica, reveladora de uma nova forma de conceber o conhecimento. Dessa forma, os indígenas, diante de sua tradição cultural ancestral, mostram que têm muito a colaborar com a tessitura de práticas educativas ambientais. Nesta pesquisa tenho como objetivo discutir como os saberes ancestrais dos Tapeba de Caucaia (CE) podem contribuir e dialogar com a Educação Ambiental Dialógica. Nesse sentido, esta pesquisa nasceu com o propósito de colocar em cena e em relações igualitárias as lógicas, práticas e modos culturais diversos de pensar, atuar e viver desse povo, de modo que possamos atentá-las de forma solidária. A pesquisa é qualitativa (MINAYO, 2007), de caráter etnográfico (GEERTZ, 2008). A maior coleta de dados se deu a partir da relação, do estar com eles, dentro de suas realidades. Ainda assim, contei com a realização de entrevistas, narrativas orais e do Círculo Dialógico (FIGUEIREDO, 2012), resultado da aliança entre o Círculo de Cultura proposto por Paulo Freire e o Círculo Dialógico-Afetivo Ecobiográfico, sinteticamente chamado de Círculo Ecobiográfico, abordagem construída por Ferreira (2011). Paulo Freire está enraizado em todas as partes deste trabalho, por meio de suas contribuições teóricas e práticas. A Educação Ambiental Dialógica (FIGUEIREDO, 2007) toma para si os aportes deixados por esse autor e dialoga com a Educação Ambiental Crítica para, assim, nascer de maneira sólida e sensível ao cenário educacional, social e político. A Perspectiva Eco-Relacional, desenvolvida por Figueiredo (2007), aponta para o horizonte da relação afetiva com o ambiente. Ciampa (2004; 2005) deu preciosa contribuição ao servir de suporte para a reflexão e entendimento sobre a questão da identidade. Por sua vez, Aníbal Quijano (1993; 2005; 2010), Walsh (2008) e Figueiredo (2009; 2010) foram essenciais para a discussão acerca da colonialidade/descolonialidade. Já para tratarmos a respeito da Interculturalidade Crítica, servimo-nos dos aportes deixados por Walsh (2008), Fleuri (1998), Figueiredo (2009b). Como contribuição da Ancestralidade Tapeba para o fazer e o pensar em Educação Ambiental Dialógica, podemos dizer que os saberes ancestrais ultrapassam o entendimento de meros registros históricos e são sentidos como guardiões da sabedoria de todo um povo, conotando, também, ensinamentos para a convivência em grupo. Esses saberes revelam que o trato com o ambiente deve se dar de forma afetiva a partir do respeito, do cuidado e da valorização. Além disso, a Ancestralidade Tapeba acredita numa relação horizontal entre todos os elementos da natureza, na qual o amor é cultivado, sendo todos essenciais a uma vida em harmonia. O Toré, por sua vez, é um exemplo de coesão, organização dos participantes e sua conexão com a espiritualidade, fundamental para uma prática educativa nesse âmbito. Os indígenas têm a sabedoria e a paciência de acatar o tempo natural do ciclo da vida, esperando o melhor momento para realizar suas atividades de pesca, caça e plantio. Além disso, ensinam a ter o ambiente como parceiro, demonstrando preocupação com as gerações futuras.

Autor(es): XIMENES, Ana Karolina Pessoa Bastos

Acesse aqui o arquivo em PDF

Pesquisador: Vanessa Lopes da Silva (Mel)

Fonte: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3294

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s